dê um videogame

julho 9, 2019

<< dê um videogame >>

m4n73nh4 l0n93 d0 4lc4nc3
d45 cr14nc45
3 405 83835 3 r3c0m3nd4d0
3n740 n3m ch394r p3r70
484nd0n3 ::
0 50l, 0 c3u, 45 357r3l45
d31x4 d3 l4d0 4 4rv0r3
3 4 v1d4 n4 f0rm4
d3 um 4n1m4l21nh0
d3 3571m4c40
3m mu51c4 d1v3r540
r154d45 3 p1p0c4
m4n73nh4 l0n93 d0 4lc4nc3
d45 cr14nc45 4 d0cur4
4 1n0c3nc14 3 4 4l39r14
dê um videogame
m45 nunc4 j4m415
508 h1p07353 4l9um4
4 p03514

Anúncios

suarged son ejaiv oãn

julho 6, 2019

Dá pra perceber?

junho 29, 2019


Estive refletindo quanto ao sentido da vida. Obviamente, nada consegui concluir, dada a minha limitada condição humana. Mas persiste a analogia já batida de um bebê que vive ricocheteando nas minhas ideias. Talvez o objetivo da vida seja mesmo aquele da preparação para a morte. E não vale de nada o sujeito ficar reclamando que os recursos são escassos, que aqui é apertado, quente e não há ar puro o suficiente. O que precisa ser feito é viver bem, levar uma vida rica em aprendizados e preparação para a morte. Afinal, sabemos que já passamos por essa mesma transformação quando deixamos o ventre da mamãe. Tudo era doce e foi sublime no começo, na concepção. O solo já foi fértil e os recursos, um dia nos pareceram inesgotáveis. Mas ao longo de nove meses, tudo foi mudando. O líquido amniótico diminuindo, a impossibilidade dos movimentos. Mesmo depois de tantos chutes na barriga a mamãe não aliviou para você. E, quando você achou que iria morrer, você nasceu! Por que você acha então, que a Terra, essa mãe aumentada, iria deixar por menos? Ainda assim, e contudo, se você está lendo isso é porque fez o seu melhor e a mamãe soube cuidar bem de você, ainda que você ache que não.

No futuro nao havera mais arvores
apenas concreto e pavimentaÇao
muitos seres humanos apinhados
em bairros com nomes de arvores.
No futuro os bebes imaginarao
que arvores sao bairros superpopulosos;
onde as folhas sao casas;
o caule, o tronco e os ramos
serao os caminhos das ruas e das avenidas
e as raizes serao rasas
murchas plantas esquecidas
ainda assim a seiva fluira
havera a fotossintese
e tudo mais que se imagina
através das redes cibernéticas
num outro tipo de floresta

<< dos vagalumes a iluminaÇao urbana >>

um funk

maio 26, 2019


a vida é um desenrolar e enrolar de línguas

coisa sobre a qual não se fala

sobretudo se o matuto está ao sol

e toma um vinho

a vida é cada um dos ponteiros do relógio

e o que você faz dela

enquanto não está atento a estes

pode ser o pior erro do rato

virar e fitar o gato

a poucos bigodes de vida

se você presta atenção ao sol

então daí acabou-se o vinho

torna a atenção para a poesia

antes que se acabe

ou se transforme num funk

em são joão da boa vista

 

 

aquele gatinho

abril 16, 2019

         

sabe, aquele gatinho é lindo.

ele será adotado,

vai dar e receber muito carinho,

e, tendo realizado a sua trajetória,

um dia voltará para o céu dos gatinhos.

mesmo assim a história dele é única.

porque todo o gatinho escolhe o seu dono

e se desdobra para realizar o seu melhor ronronar.

do ponto de vista da ideia,

um gato será sempre um gato.

mas para cada dono,

mesmo que ele tenha muitos gatos,

apenas um gatinho toca a sua alma,

e, porque tem o ronronar que mais lhe agrada,

realiza o seu ideal do gato.

tendo sete vidas,

também o gatinho terá muitos donos.

mas para ele, cada dono é único,

porque tem um olhar diferente do mundo.

e, dentre os sete donos,

seis serão apenas donos,

mas apenas um será o dono ideal do gato.

 

Esse poema

março 18, 2019

           

vem do Sol um poema novo em velocidade astronômica a todo instante. mas ele ainda não chegou se Você não o lê. ele é como uma melodia suave que acaricia a sua pele deliciosamente. mas Você não a ouve porque ela é de se compartilhar. o sublime perfume envolve a morada do seu coração a todo o instante. acalenta-o em ondas concêntricas. mas Você não o sente se o seu rádio não está sintonizado na mesma estação. este poema, que está chegando, se Você o lê, não te deixa, porque ele nunca partiu. mas se o poema passa desapercebido, então ele é todo o vazio existencial. algo que Você desconhece mas pressente a falta de. vive ansiando por. na próxima esquina. talvez amanhã. depois de resolver aquilo. somente durante as refeições: uma pitada de sal que faltou no tempero. a brisa que não vem no dia quente. chuva minguada que não deixa a terra fértil. mas se o poema nasce em Você enquanto Você o lê, dentro de si Você o imagina, ele retorna para Você. é como algo sensível e não de todo compreensível. p.o:r.q:u.e: esse poema é Você. para Você se lembrar sempre que faltar uma colher de luz em sua vida. vem do Sol um poema novo em velocidade astronômica a todo instante.

        

felicidade

março 16, 2019

          
uma fagulha,
atrito,
uma coceira nas hélices dos dnas.
não em uma célula,
mas em todo o tecido
– ao mesmo tempo.
convenhamos:
uma coincidência das grandes!
e isso te ilumina.
alguém pergunta
<< 1n35p3r4d4m3n73 >>
como vai sua vida?
você sorri para uma criança,
ela sorri de volta.
na estrada
nuvens de chuva adiante,
um arco-íris a tua direita,
o por do sol no retrovisor.
você não sabe ao certo para onde a vida vai te levar.
só sabe o nome disso e quer que continue.
então faz o teu melhor
e confia em si.

desperta

março 13, 2019

metamorfose

março 12, 2019