r10 d3 j4n31r0-f3v3r31r0 2OIE

fevereiro 22, 2013

r10 d3 j4n31r0-f3v3r31r0 2OIE:

recado_aos_navegantes

Anúncios

Aborto

fevereiro 17, 2013

Esboços e Pseudo-Poesias para Semi-Analfabetos, Excêntricos e Enfermeiras.

jorge_xerxes_aborto_1jorge_xerxes_aborto_2jorge_xerxes_aborto_3jorge_xerxes_aborto_4jorge_xerxes_aborto_5jorge_xerxes_aborto_6jorge_xerxes_aborto_7jorge_xerxes_aborto_8jorge_xerxes_aborto_9jorge_xerxes_aborto_10jorge_xerxes_aborto_11jorge_xerxes_aborto_12jorge_xerxes_aborto_13jorge_xerxes_aborto_14jorge_xerxes_aborto_15jorge_xerxes_aborto_16jorge_xerxes_aborto_17jorge_xerxes_aborto_18jorge_xerxes_aborto_19jorge_xerxes_aborto_20jorge_xerxes_aborto_21jorge_xerxes_aborto_22jorge_xerxes_aborto_23jorge_xerxes_aborto_24jorge_xerxes_aborto_25jorge_xerxes_aborto_26jorge_xerxes_aborto_27jorge_xerxes_aborto_28jorge_xerxes_aborto_29jorge_xerxes_aborto_30jorge_xerxes_aborto_31jorge_xerxes_aborto_32jorge_xerxes_aborto_33jorge_xerxes_aborto_34jorge_xerxes_aborto_35

Projeto ouroboros

fevereiro 17, 2013

jorge_xerxes_ouroboros_project_0jorge_xerxes_ouroboros_project_1jorge_xerxes_ouroboros_project_2jorge_xerxes_ouroboros_project_3

A lobotomia era prática comum na idade média.

jorge_xerxes_bosch_stone_1

Óleo sobre tela de Hieronymous Bosch.

jorge_xerxes_bosch_stone_2

O magnetismo em Serra Morena

fevereiro 14, 2013

jorge_xerxes_serra_morena

Andréa Fátima dos Santos nasceu em São Paulo no ano de 1975. Ela cresceu na cidade industrial de São Bernardo do Campo – SP, onde o pai tinha uma loja de assistência técnica. Os seus amigos eram filhos de operários. Mas a pequena Andréa gostava mesmo era de passar suas férias na casa de seus avós maternos Nico e Maria no alto da Serra Morena, próxima a Carmo do Rio Claro – MG. Andréa não conheceu os seus bisavós, Adolfo e Donana, que foram fulminados por um raio enquanto dormiam; deixando órfãos os irmãos Nico, Antônio e Júlia; todos com menos de dez anos. A casa onde ocorreu o evento traumático também era outra, ficava no vale – e não no cimo – que depois veio a ser tomado pelas águas da represa de Furnas. Andréa e seus pais não tinham o hábito da leitura. Ela conta que em sua casa, em São Bernardo do Campo, havia apenas dois livros: um de receitas e a Bíblia, ambos intocados.

“Um dia ao ano, o Sol se botava global dentro da casa de Eneido, a caverna inteira se iluminava, os azuis das corujas viravam piscinas. Durava o tempo de debulhar uma espiga, pegando a segunda, já era minguante a luz na abóboda.”

Acontece que Andréa era muito curiosa, imaginativa e gostava de escrever. Era-lhe natural suas ideias transcenderem a realidade, nua e crua, avançando as fronteiras do fantástico e do maravilhoso. Aos 17 anos Andréa mudou-se para São Paulo, onde foi morar com o seu namorado, fotógrafo, alguns anos mais velho. Ela passou então a adotar o pseudônimo de Andréa del Fuego – pela cor vibrante do fogo e pela sonoridade peculiar advinda da conjunção dessas palavras. E foi a partir daí que publicou a trilogia de contos “Minto enquanto posso” (2004), “Nego tudo” (2005) e “Engano seu” (2007) que a projetaram em definitivo no cenário da literatura brasileira contemporânea. Assim, o que poderia ser inicialmente encarado como uma fraqueza (ou fuga) veio a tornar-se sua grande virtude. É para poucos dominar tamanha energia canalizando-a de forma construtiva em obras de valor estético.

“Estavam anestesiados, outra gravidade debaixo do teto das corujas. O corpo e o pensamento na preparação de algum corte, como a febre antes da bolha estourar, a tontura antes do desmaio, a melhora antes da morte.”

Foi no ano de 2006 que, através de um amigo cuja mãe tinha uma livraria em Curitiba – PR, eu fui praticamente forçado a ler “Minto enquanto posso” e, na seqüência, implorado pelo empréstimo de um raro exemplar de “Nego tudo”. Esse amigo sabia que eu gostava de escrever, mas àquela época não tinha o hábito da leitura. A identificação foi imediata; essa foi uma experiência importante para o meu amadurecimento; a percepção de que a literatura possibilitaria trabalhar determinados conteúdos oníricos e psíquicos constituindo um suporte suave (ou nuvem) para a realidade (cama de faquir). Aconteceu assim de eu me tornar escritor (em menor grau) e também um leitor (principalmente).

“Ia voltar sozinha, como saiu, mesmo que o destino não fosse a Serra Morena. O ponto de origem não foi a paisagem, mas o estrondo na casa dos pais. Disseram que no mar caem mais raios, podia ser atingida por um e voltar para casa.”

Em 2010 Andréa publicou o seu primeiro romance, intitulado “Os Malaquias”, o mesmo sobrenome dos seus avós maternos, e dedicado à vida desses seus antepassados na Serra Morena do início do século passado. A obra lhe valeu o Prêmio José Saramago de 2011. Pelo que li a respeito, o livro nasceu após uma longa gestação em Andréa. A ideia de escrever o romance surgiu de questionamentos quando da morte de sua avó Maria, a esposa de Nico. Sua primeira versão foi escrita entre 2003 e 2005, mas então a obra não se encontrava madura. E o seu tio-avô Antônio, anão como no livro, faleceu enquanto Andréa trabalhava na retomada do romance. Imagino o quanto deve ter sido árdua a tarefa de debruçar-se sobre a história dos irmãos órfãos Nico, Antônio e Júlia; enfim, sobre suas próprias raízes; tanto ancestrais, quanto aquelas de sua infância.

“Maria ria sozinha, lá embaixo a cidade era um buquê de vaga-lumes. Nico pousou o dedo e pôs força. Geraldina desembocou dentro da lâmpada, vibrou em volta da espiral, excelsa. A sala se iluminou nas quinas, os móveis fizeram sombra amena. Maria apagou as velas. Antônio bateu palma olhando para o teto.”

A linguagem é simples, ágil, fluida em “Os Malaquias”. Andréa soube dosar a realidade aos conteúdos oníricos para a construção de uma narrativa compreendendo todo o espectro da vida. Equilíbrio entre os pólos exterior e interior no humano. Creio que este é o magnetismo, o que atrai e torna essa leitura gratificante. Andréa conta: “O Prêmio José Saramago é que pagou o parto que eu queria, com a equipe que eu queria, parto humanizado.” Francisco nasceu no ano de 2012; é filho da escritora com André, o fotógrafo, seu marido e companheiro desde os 17 anos de idade. Atualmente ela é colunista do programa Entrelinhas, da TV Cultura, tendo produzido matérias sobre diversos autores: Murilo Rubião, Roberto Bolaño, Anna Akhmátova, Julio Cortázar, entre outros.

Light Green!

fevereiro 1, 2013

luisa_geisler_quica

Luisa Geisler nasceu em 1991 em Canoas, RS.

“Fugir e ficar. Ela tinha histórias para contar, sabiam? Todos têm. Todos têm histórias que nunca contam.”

O seu segundo livro – Quiçá, Record, 2012 – é um romance cujo ponto de partida é a mudança de Arthur, 18 anos, da pequena cidade de Distante para a casa de familiares na metrópole de São Patrício.

Arthur vai morar por um ano na casa de Augusto, Lorena, Clarissa (11 anos), e Zazzles (o gato) – para cursar o terceiro colegial.

“Semanas depois, depois da tatuagem de Arthur, choveria a pior tempestade do ano. Mas isso era no futuro. Naquele momento, só chovia e só fazia frio.”

A narrativa contagiante, em linguagem contemporânea e estruturada em três escalas de tempo – 24 horas, 365 dias e toda uma vida – já seria o suficiente para um grande livro.

Mas emocionou-me, sobretudo a sensibilidade e a humanidade com que a escritora desenvolve sua trama.

E é exatamente por esse motivo que recomendo a obra: para uma reflexão sobre os relacionamentos humanos, a família, a amizade e os nossos valores (?).  

Tudo isso embalado ao som da banda de rock progressivo Light Green, shots de vodca e baforadas num cigarro.

“E, como tudo que oferece muito, como tudo que se impõe, São Patrício afastava e atraía os moradores de Distante.”

(Quiçá não tenha sido obra do acaso o Prêmio SESC 2011 na categoria romance).