Figurinhas

abril 29, 2014

Figurinhas

Anúncios

não é da sua conta

Júpiter

abril 14, 2014

Gemini's Laser Vision Reveals Striking New Details in Orion Nebula

Estamos de mudança para uma pequena cidade do interior, eu, meu pai, minha mãe e meus dois filhos, de onze e nove anos. Depois de vários anos morando sozinho, distante de meus entes queridos, com os quais me encontro apenas nos finais de semana – desde quando decidi tomar em definitivo as rédeas de minha vida –, me sinto empolgado e feliz com a perspectiva de voltar a viver em família.

A cidade para onde estamos nos mudando deve ter por volta de quinze mil habitantes e vamos morar num casarão em estilo colonial que ocupa todo um quarteirão. O casarão é do final do século XIX, com o pé direito alto, cômodos amplos e assim também são as aberturas das janelas e das portas. As vigas e os pilares da estrutura, os batentes das portas e janelas e os móveis são de madeira maciça, em cores escuras, sóbrias, mas tudo muito limpo, organizado e conservado. Lá é possível respirar um ar úmido e puro, pois o casarão ocupa o centro do terreno sendo rodeado de muito verde: árvores centenárias, jardins e um pomar.

A pequena cidade representa uma novidade para todos nós e estamos ansiosos por conhecê-la e aos seus moradores. Entretanto, precisamos tomar providências quanto a um conflito inicial: trouxemos conosco nossos animais de estimação, dois cães e um gato, que sempre viveram em harmonia; mas no casarão já havia um cão de guarda. Este é bastante hostil e não aceita a convivência com os nossos bichos. Tentamos várias configurações, deixando inclusive os dois cães maiores segregados do cachorro menor e do gato. Mas o cão de guarda, apesar de inicialmente aceitar esse último arranjo, acabou atacando ferozmente o nosso cachorro maior; por sorte separamos a briga, sem maiores implicações. Decidimos doar o cão de guarda, o que não foi muito difícil. E assim foi restabelecida a harmonia.

Saímos para um passeio. Caminhamos pela praça principal e observamos a formação do que seria uma procissão. Próximo à praça havia um pequeno museu e, como estávamos interessados em conhecer mais da história e dos moradores daquela cidade, decidimo-nos por uma visita.

Estávamos apenas eu, meu pai e minha mãe. As crianças não nos acompanharam ao museu, era desinteressante para eles. Enquanto eu observava um aparador com fotos em branco e preto de famílias tradicionais daquela cidade e respectivas anotações, senti um súbito mal estar, com ligeira queda da pressão e meus pés se umedeceram.

Retirei os meus sapatos, minhas meias estavam empapadas de sangue. Saquei as meias e, para a minha surpresa, no entorno das plantas de meus pés havia profundas fissuras na pele que iam até os ossos, por onde vazavam sangue e linfa. Era como se as carnes tivessem perdido elasticidade e resistência, descolando dos ossos pela simples pressão exercida do corpo sobre os meus pés.

Quando fui me levantar, empurrando o corpo para cima com o meu braço direito, sulcos se formaram pela contração do músculo, donde agora fluíam também grande quantidade de plasma e sangue, e uma das extremidades de meu tríceps se rompeu como uma corda apodrecida. A sensação era aquela de um corpo composto por ossos revestidos de argila: bastava um movimento mais brusco para que imensas fissuras se abrissem, deixando vazar as entranhas.

Permaneci deitado no chão do museu, de forma a distribuir mais uniformemente o peso de meu corpo, para que nenhuma nova ferida se abrisse. Eu perdia muito sangue e linfa, minha mãe ficou comigo enquanto meu pai foi buscar socorro. Entretanto, uma longa procissão passava pela rua de acesso ao museu e por isso a ambulância custava a chegar. Eu podia ver a procissão passando lentamente através de ampla janela de vidro.

Quando a procissão terminou sua passagem, a ambulância chegou. Já havia um ferido no interior do veículo, aparentemente um rapaz com a perna fraturada. Os enfermeiros que me puseram na ambulância pareciam perturbados pelo odor putrefato que exalava de meu corpo. Pelo semblante deles fiz a leitura de que a situação era grave.

No hospital local os médicos não sabiam como tratar de minha enfermidade. Fui então de ambulância para um hospital de outra cidade, maior e mais bem equipado. Os médicos, melhor capacitados, diagnosticaram uma grave deficiência associada à eliminação de toxinas e impurezas pelo organismo, estas teriam se acumulado em excesso nos músculos e nas diversas camadas da pele, causando o seu colapso ou quase falência.

Fui colocado numa espécie de banheira hospitalar, onde eu permanecia praticamente imerso numa emulsão de ph neutro, deitado, apenas com a cabeça para fora. O objetivo era a cicatrização das fissuras, que ainda vazavam plasma e sangue, e a redução do risco da abertura de novos ferimentos pelo impacto ou esforço físico.

Eu havia perdido muito sangue e estava fraco. Implorei para o meu pai e minha mãe que não me deixassem sozinho no hospital. Os médicos recomendaram que eu bebesse muita água e que ingerisse tanto quanto possível os medicamentos que haviam deixado. Para o meu estranhamento, estes consistiam de minerais, de cristais translúcidos e lapidados, alguns nas cores vermelha ou amarela, a maioria transparente; semelhantes às pedras preciosas. Outros desses medicamentos ou alimentos eram segmentos metálicos, como aqueles de estanho ou prata, num formato similar ao chocolate granulado. Eu botava pequenos punhados desses cristais na boca e os ingeria com amplos goles d’água. Fazia o mesmo com os segmentos metálicos.

Apesar disso, fui enfraquecendo gradualmente. Meu corpo estava frágil e delgado. O meu pai, sempre ao lado da banheira-leito durante essa minha convalescença. Eu já não conseguia falar, alternava estados de vigília, sono e torpor. Não diferenciava os dias das noites e estava incapacitado de percepção acurada da passagem do tempo. Certo dia, enquanto estava desperto, o meu pai me disse:

– Desculpe-me filho, mas terei de deixá-lo. A vida segue, não posso permanecer para sempre ao teu lado.

Por essa época eu não sentia mais dor e, estranhamente, percebia o gradual aumento de minhas faculdades cognitivas e de percepção inversamente à degradação de meu estado físico. Era possível compreender as conversas dos médicos ao meu redor, que davam como certo o meu fim iminente.

Certo dia, eu recebi a visita de meu primo militar. Apesar de meu estado catatônico, ele falou normalmente comigo, não ficou apenas me fitando com aquele semblante de pena, como faziam os demais. Ele me disse que todos estavam bem, apesar de que fazendo concessões; estavam economizando e trabalhando duro para custear o meu tratamento, que eu ficasse tranquilo, que todos torciam para que eu me recuperasse e mandavam lembranças.

Nunca me senti tão mal como naquele dia. De súbito percebi como eu havia sido estúpido e egoísta em haver pedido que meu pai e minha mãe não me abandonassem. Agora todos de minha família estavam passando por necessidades para me manterem no hospital. E eu não conseguia sequer me mover, me comunicar, pedir que me deixassem em paz, que eu não sentia mais dor; enfim, que eu estava preparado para partir.

Os médicos se reuniam de vez em quando ao meu redor para a discussão de meu quadro clínico que, pelo que eu podia ouvir, era estável. Apesar disso, esse estado, na opinião deles, era irreversível.

– Como pode a família desse sujeito mantê-lo nesse quadro, alimentarem ainda a esperança de que ele pode se recuperar?

– Enquanto isso ele ocupa mais um leito desse hospital, com tantos pacientes promissores precisando de quartos para o seu pronto restabelecimento.

– É verdade, tremenda insensatez!

Certa noite eu ouvi o médico plantonista conversando com um policial que havia entrado no quarto. Combinaram alguma coisa em voz baixa, o médico permaneceu no quarto e o policial foi para fora. Nessa noite, em particular, o hospital estava abarrotado de gente, faltavam leitos para os atendimentos de urgência. Pacientes agonizavam no corredor e eu podia ouvi-los.

Então, o plantonista agarrou o meu corpo frágil que, naquele momento, apesar de um metro e oitenta e cinco centímetros de altura, pesava menos de cinquenta quilos. Minha pele fina se rasgou em vários pontos, donde esguichava muita linfa e sangue. Eu não passava de um saco preenchido de material orgânico podre e ossos. O médico simulou um enfrentamento, como se eu o tivesse atacado e jogou meu corpo para fora do quarto, no meio do corredor, próximo a escadaria. Daí o policial sacou sua arma, mirou bem e disparou.

O primeiro tiro atravessou o meu antebraço direito facilmente, como se perfurasse um saco plástico preenchido por água. Eu não sentia dor. Os pacientes e outros médicos gritavam de terror. O segundo tiro, o policial acertou bem no meio de minha têmpora esquerda. Boa pontaria, pensei comigo mesmo. Meu corpo tombou desfalecido no chão. O sangue escorria em direção aos degraus.

Ao contrário do que imaginava, eu não perdi a consciência após ter sido alvejado, meus sentidos se expandiam ainda mais. Tentei identificar donde vinha aquele fluxo consciente que era eu mesmo. Para o meu espanto, meus sentidos estavam imiscuídos ao sangue que escorria andar abaixo pelos degraus. Eu era aquele líquido vermelho putrefato que se espalhava, podia sentir a perda de calor para os degraus gelados de granito. A que ponto lamentável eu cheguei, que condição absurda, pensei com os meus botões. Apesar disso, a sensação era genuína e extremamente sui generis. Procurei desfrutar ao máximo daquela percepção ou consciência sanguínea. Até que, súbito, cessou a experiência e caí num sono profundo.

* * *

Quando despertei estava deitado na sala de estar de uma casa na periferia doutra cidade. A temperatura era agradável. Olhando pela janela, podia ver a exuberância do céu de cor púrpura. Ao fundo faiscavam relâmpagos em intervalos breves, porém assíncronos. Não havia, porém, o barulho de trovões.

– Ah, você finalmente despertou!

Disse uma garota de vinte e poucos anos. Logo se juntaram a ela outra garota e um rapaz aparentando mesma idade.

– Então é você o cara que escorreu pelas escadas.

A frase do rapaz não era carregada de ironia ou sarcasmo, mas de grande amabilidade. Senti-me envergonhado e constrangido. O meu corpo encontrava-se frágil e debilitado como naqueles últimos dias no hospital, apesar disso, consegui responder.

– Sim, sou eu.

– Fique tranquilo, disse a outra garota, todos nós aqui passamos mais ou menos pela mesma coisa. A gente vai cuidar de você até que se sinta melhor.

Eles estavam sempre por ali, na ampla sala de estar. Percebi que havia outras duas pessoas se recuperando ali, a exemplo de quem vos narra essa história. Cada uma dessas pessoas era especialmente assistida por um deles. O rapaz é quem era o responsável pelos meus cuidados.

Com o passar dos dias melhorava o meu quadro clínico, apesar de não recordar de qualquer medicação. Eu ganhava peso e ânimo na mesma medida em que se expandia a minha consciência. Percebi como aquela cidade era evoluída e afortunada, provavelmente com alto índice de desenvolvimento humano. A casa onde eu estava ficava na periferia, como já mencionei; apesar disso, não se comparava às condições precárias às quais estamos acostumados de experimentar. Por sua vez, o centro da cidade não era caótico, barulhento ou agitado. Ao contrário, parecia emanar daquela fonte grande energia vital e harmonia, que eu podia captar através de meus sentidos. Parecia ser este o alimento que propiciava o meu restabelecimento.

Não devo me furtar em narrar que me sentia como criatura assombrada com tantas novidades num curto período de tempo. Certa noite, eu vi um corredor através do qual as garotas e o rapaz se recolheram. Eu já podia me movimentar com dificuldades, meio que rastejando, e rumei para lá. Chegando próximo ao batente, percebi que não havia porta, mas sim uma parede menos espessa. Apenas uma pequena abertura próxima ao solo em forma de arco. Eu podia enxergar através daquela abertura, mas não havia como eu passar.

Vi, então, o rapaz se aproximando pelo corredor. Ele vinha em minha direção. Para o meu espanto ele atravessou através da parede interior ao batente.

– Você ainda não está pronto para estar conosco. Logo estará mais forte, vai ficar bom.

Eu me sentia só. Um dia percebi que havia três pessoas vindas do centro da cidade para a periferia com o intuito de se encontrarem comigo. Pude captar também a apreensão no rosto das duas garotas e do rapaz que zelavam por mim. Quando estavam bastante próximos eles pararam e começaram a discutir entre si. Debatiam se era a atitude acertada. Pude então identificá-los. Era minha ex-mulher e os seus pais. Depois de uma conversa entre si, eles se afastaram e foram embora.

Senti-me entristecido.

– Não se preocupe; mais breve do que imagina estará junto de sua verdadeira família.

Disse-me uma das garotas com grande convicção.

E foi essa sua fala que me trouxe extrema paz de espírito.

 

simanca

Existia a vontade econômica e política por parte dos Estados Unidos de controlar os países de economia menos desenvolvida, impedindo-os de se ligarem ao bloco comunista, para assim vencerem a disputa mundial de poder com a URSS e o bloco comunista, negando a estes quaisquer novos parceiros comerciais e diplomáticos.

O governo dos Estados Unidos não aprovava as nacionalizações de empresas americanas realizadas pelo cunhado do Presidente João Goulart e governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola; nem os rumos que a política externa brasileira tomava, de suspensão de pagamento da dívida externa, de não alinhamento, e mantenedora de contatos com ambos os polos de poder (capitalista e comunista).

No governo Jânio Quadros, João Goulart, então vice-presidente, havia visitado, a mando do presidente, a China comunista. Jânio Quadros, mesmo que sem nenhuma ligação com setores de esquerda, condecorara o revolucionário e então funcionário do governo cubano, Ernesto Che Guevara. Isso tudo motivou os americanos a fornecerem aos militares brasileiros o apoio ao golpe. De lá veio ainda o aparato ideológico do anticomunismo, que já era pregado pela Escola Superior de Guerra das Forças Armadas do Brasil, através da doutrina de “Segurança Nacional”.

João Goulart procurava impulsionar o nacionalismo trabalhista através das reformas de base. Os setores mais conservadores, contudo, se opunham a elas. Entre as figuras históricas civis afinadas com o movimento militar, estão os governadores Magalhães Pinto (Minas Gerais), Adhemar de Barros (São Paulo) e Carlos Lacerda (Guanabara, atual Estado do Rio de Janeiro). Políticos influentes, como Carlos Lacerda e até mesmo Juscelino Kubitschek de Oliveira, magnatas da mídia (Roberto Marinho, Octávio Frias de Oliveira, Júlio de Mesquita Filho), a Igreja Católica, os latifundiários, empresários e parte da classe média pediam uma “contra-revolução” por parte das Forças Armadas para remover o governo.

Os Estados Unidos, que já vinham patrocinando organizações e movimentos contrários ao presidente e à esquerda no Brasil durante o governo de João Goulart, participaram da tomada de poder, principalmente através de seu embaixador no Brasil, Lincoln Gordon, e do adido militar,Vernon Walters, e haviam decidido dar apoio armado e logístico aos militares golpistas.

Desta forma, os militares mais radicais se aglutinaram ao general Artur Costa e Silva, e os mais estratégicos ao marechal Humberto de Alencar Castelo Branco. Tropas militares, na madrugada do dia 31 de março de 1964, sob o comando do general Olympio Mourão Filho, marcharam de Juiz de Fora para o Rio de Janeiro com o objetivo de depor o governo constitucional de João Goulart.

A partir do dia Primeiro de Abril de 1964, na prática uma junta militar governava o Brasil, porém formalmente foi declarado vago o cargo de presidente da república, pelo senador Auro de Moura Andrade, presidente do Senado Federal, que empossou o presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli na presidência.

No dia 11, o Congresso Nacional ratificou a indicação do comando militar e elegeu o marechal Humberto de Alencar Castello Branco, chefe do Estado-Maior do Exército. Como vice-presidente foi eleito o deputado pelo PSD José Maria Alkmin, secretário de finanças do governo de Minas Gerais, do governador Magalhães Pinto, que ajudou a articular o golpe. A posse de Castello Branco ocorreu em 15 de abril de 1964 e ele governou o Brasil até março de 1967.

Grande parte da imprensa, os chamados “Diários Associados”, que eram compostos por revistas, rádios, jornais e emissoras de TV, como O Globo, Rede Globo, Folha de São Paulo, Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Estado de São Paulo festejaram a deposição do governo de Goulart.

A repressão se instalou imediatamente após o golpe de Estado antes do começo da luta armada. As associações civis contrárias ao regime eram consideradas inimigas do Estado, portanto passíveis de serem enquadradas. Muitas instituições foram reprimidas e fechadas, seus dirigentes presos e enquadrados, suas famílias vigiadas.

Em seus primeiros quatro anos, o governo militar foi consolidando o regime. O período compreendido entre 1968 e 1975 foi determinante para a nomenclatura histórica conhecida como “anos de chumbo”. Sob a vigência do Ato Institucional Número 5 (AI-5) e da Lei de Segurança Nacional de 1969, os “anos de chumbo” foram caracterizados por um estado de exceção total e permanente, controle sobre a mídia e a educação e sistemática censura, prisão, tortura, assassinato e desaparecimento forçado de opositores do regime. A prisão arbitrária por tempo indeterminado (suspensão do habeas corpus) e a censura prévia foram especialmente importantes para a prática e o acobertamento da tortura.

A população era moldada pela propaganda institucional e pelos meios de comunicação com os programas de televisão de Amaral Neto, do Repórter Flávio Cavalcanti, dentre outros, com audiência de até dez milhões de telespectadores em horário nobre, número muito expressivo para a época. Havia muitos programas locais com publicidade de cunho institucional, as “maravilhas” e a grandeza do país eram enaltecidas, slogans eram distribuídos fartamente em todos os meios de comunicação.

As universidades brasileiras viviam sob uma verdadeira ocupação militar: professores foram aposentados compulsoriamente, alunos expulsos, livros censurados.

Dentre os maiores adversários políticos que os militares da ditadura percebiam como sendo perigosos, de esquerda e/ou comunistas estavam os sindicatos. Castelo Branco usou a lei trabalhista para eliminar a oposição sindical, interveio em sindicatos e afastou seus líderes. O governo passou a definir a política salarial, reorganizando o Conselho Nacional de Política Salarial de João Goulart. Em pouco mais de um ano, a ditadura impôs intervenção federal em cerca de quinhentos sindicatos: as diretorias foram destituídas e interventores nomeados pelo governo. Os dirigentes sindicais deveriam ter seus nomes aprovados pelo Ministério do Trabalho.

A política de arrocho salarial, além de diminuir o salário real dos trabalhadores, acabou promovendo uma concentração de rendimentos, considerada uma das mais escandalosas em todo o mundo. Em todos os anos da ditadura a renda real (descontada a inflação) média dos trabalhadores caiu.

A política salarial do governo prejudicou a alimentação da população. Estudos mostram que, entre 1963 e 1975, a desnutrição passou de 1/3 para 2/3 da população brasileira, e a desnutrição absoluta chegou a atingir 13 milhões, aproximadamente 1/7 da população. Em resposta a esse problema, o governo baniu a palavra “fome” da mídia.

A política econômica e social do regime militar é criticada pelo crescimento da desigualdade sócio-econômica e da extrema pobreza entre os 21 anos de sua duração, extendendo-se do ano de 1964 até aquele de 1985.

Em 2013, as Organizações Globo reconheceram e desculparam-se publicamente, através de um editorial publicado no jornal O Globo, por terem apoiado a ditadura militar instaurada no país depois do golpe militar de 1964. No texto do editorial, o jornal afirma: “À luz da História, contudo, não há por que não reconhecer, hoje, explicitamente, que o apoio (ao golpe de 1964) foi um erro, assim como equivocadas foram outras decisões editoriais do período que decorreram desse desacerto original. A democracia é um valor absoluto. E, quando em risco, ela só pode ser salva por si mesma”.

* * *

Nesse dia Primeiro de Abril de 2014 completam 50 anos do ínicio da Ditadura Militar no Brasil. Considerando a impossibilidade de simplesmente fazer vistas grossas as cicatrizes indeléveis calcadas na pele de toda a órfã nação: Que lições nós podemos levar desse triste período de nossa história recente? Conseguimos minorar os graves danos causados no âmbito econômico e social? Como estamos hoje frente ao cenário mundial?

Observam-se os danos causados pelo Regime Militar em duas grandes esferas: aquela da grave e inconcebível violação aos diretos humanos dos cidadãos e outra de natureza econômico e social.

O Produto Interno Bruto (PIB) nominal per capita é o valor final de bens e serviços produzidos num país num dado ano, dividido pela sua população nesse mesmo ano. O PIB em dólares é baseado nas taxas de câmbio correntes do mercado de moedas. Segundo o Banco Mundial (2008), o Brasil ocupava a 54ª posição no ranking do PIB nominal per capta (com o valor de 8400 dólares americanos) dentre 170 países, estando abaixo da média mundial, que é de 8983 dólares americanos.

A concentração de renda brasileira continua sendo das mais vergonhosas do mundo. O coeficiente de Gini do Brasil em 2001 era de 0.594, melhor apenas que a Guatemala, Suazilândia, República Centro-Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia. A concentração de renda permaneceu praticamente inalterada durante as últimas quatro décadas, com seus índices oscilando dentre as 10 últimas posições do mundo.

Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) demonstrou que a desigualdade entre os rendimentos dos trabalhadores brasileiros caiu quase 7% entre o quarto trimestre de 2002 e o primeiro de 2008. Nesse período, o coeficiente de Gini na renda do trabalho, ou o intervalo entre a média dos 10% mais pobres da população e a média dos 10% mais ricos, caiu de 0.543 para 0.505. Entretanto, “para um país não ser primitivo, esse índice precisa estar abaixo de 0.45”, afirmou o presidente do Ipea, Márcio Pochmann, em entrevista à BBC Brasil.

No Brasil, a alta concentração de renda no topo da pirâmide dificulta a sua medição através dos índices mais comuns como o P90/P10. Isso por causa da anormalidade da distribuição: a metade pobre da população brasileira ganha em soma quase o mesmo valor (12,5% da renda nacional) que os 1% mais ricos (13.3%).

Em 26 de outubro de 2006, a Unesco publicou o relatório anual “Educação para Todos” colocando o Brasil na 72º posição, em um ranking de 125 países.

Estudos sobre a qualidade da educação secundária avaliam os alunos com quinze anos de diversos países. Num estudo da OCDE de 2007, o Brasil ficou em 52º entre 57 países. Em 2010, o Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) realizado em 2009 mostrou o Brasil na 53º posição dentre 65 países. A avaliação feita com questões de literatura, matemática e ciências mostrou que quase metade dos estudantes brasileiros não atinge nível básico de leitura.

Após a ditadura militar pudemos experimentar os governos de um ex-sindicalista, Luiz Inácio Lula da Silva, e também de uma ex-revolucionária comunista, a atual presidente Dilma Vana Rousseff.

O Programa Bolsa Família é um programa do governo Lula (2003) de transferência direta de renda com condicionalidades, que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza, criado para integrar e unificar o Fome Zero a outros programas de cunho social implantados no governo Fernando Henrique Cardoso. A então primeira-dama, Ruth Cardoso, impulsionou a unificação dos programas de transferência de renda e de combate à fome no país.

“Vou fazer um governo comprometido com a erradicação da miséria e dar oportunidades para todos os brasileiros e brasileiras. Mas, humildemente, faço um chamado à nação, aos empresários, trabalhadores, imprensa, pessoas de bem do país para que me ajudem.” – disse Dilma Vana Rousseff em seu primeiro pronunciamento como presidente eleita do Brasil.

Já o Brasil sem Miséria é o programa social do governo federal brasileiro, criado na gestão da presidente Dilma Vana Rousseff. Lançado em junho de 2011, o programa tem como objetivo retirar da situação de pobreza extrema 16.2 milhões de pessoas que vivem com menos de setenta reais por mês. O Brasil sem Miséria consiste na ampliação do programa anterior de combate à pobreza de Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsa Família.

Depois que o governo da ditadura militar brasileira baniu a palavra “fome” da mídia pela censura, parece terem sido bastante acertadas e bem sucedidas as iniciativas dos governos do ex-sindicalista e da ex-revolucionária no combate da fome e da miséria.

Entretanto, o salário real dos trabalhadores é baixo comparativamente aquele de outros mercados, fazendo do Brasil prioritariamente um fornecedor de matérias-primas, celeiro de mão-de-obra pouco qualificada, ainda assim mantendo certa massa consumidora de produtos manufaturados: condições favoráveis às economias mais fortes e aos cartéis dominantes para a pilhagem capitalista – abençoada e legitimada pela ONU – no ínicio desse terceiro milênio.