Louco anti-poema

julho 16, 2013

louco_anti_poema  

osrevni ameop o revercse arap

   osirros-itna o ranigami ós é

   etnem ahnim an azeleb aus

   oienaved ohnos ocuol

   sojieb-itna acob aus an

   augníl ed

Anúncios

A noite

maio 1, 2013

 

uma parceria inusitada com (do poema original d)a Sonia Regina

 

<<< A noite >>>

 

“aparece, pouco densa,

oferenda fabulosa e pura.

O vislumbre de uma passagem

do transcendente fogo dos deuses.

Numa quietude geradora parto

das ruínas, sem milagres nas mãos;

lavrados em nenhuma escritura,

a força atenta e o valor guerreiro

fundados no sangue”

 

o poema original aqui…

http://nanquin.blogspot.com.br/2013/04/o-poema-inedito-sonia-regina_30.html

r10 d3 j4n31r0-f3v3r31r0 2OIE

fevereiro 22, 2013

r10 d3 j4n31r0-f3v3r31r0 2OIE:

recado_aos_navegantes

Da simbiose imperfeita

junho 27, 2012

imagem capturada pelo Deputado O. S. Ozz em Savannah, GA, USA, 27/06/2012

Nada ao que digo. Parece não lhe fazer sentido. Por isso boia, inconstante: o desejo de aproximação e de repulsa simultâneos. Assim mantemos a distância segura dos indecisos, subjugando-nos aos caminhos escusos das presas em potencial, ou ao olhar aguçado da ave de rapina – a perscrutar do cimo – quando, em verdade, tudo o que subsiste é o amor e a entrega. A vida não volta. Ela passa rente às retinas, numa sucessão rápida de imagens difíceis de apreender. É porque não mergulhamos o suficiente além da superfície para compreendermos da essência. Ela pulsa submersa, latente nas ideias, que ficam a especular sobre aquilo que não foi, sobre o que poderia ter sido ou mesmo sobre o devir. Mas somente quando tivermos firmeza e segurança de sermos nós mesmos, sintonizados à frequência do sentimento mais profundo, da verdade interior de cada criatura, seremos verdadeiros heróis na aventura do viver.

     

pois caga

e come desses dejetos servidos aos brasileiros

mastiga bem

para a boa digestão

para não ferir a camada de ozônio

para um processo com certificado verde

para a estética saudável ao maximizar toda uma vida de bosta

e engole sem fazer a cara feia

sorrindo para a câmera da tv

a história sempre foi (sempre será)

escrita pelos demônios que se vestem de branco

na expansão inconsequente do vazio

– espaços ermos

      

ou então:

vá para o campo de batalha

se para isso lhe forem caros

os dentes

Dentro da moreninha

março 24, 2011

Se o gelo fosse alimento,

Carlos comeria.

A insignificância de seus próprios momentos,

instantes do agora.

Carregando à face o denso bigode.

Tantos dias a errar pelo caminho.

Sim,

Carlos comeria.

Abraçaria suave a sua delícia.

Deixá-la-ia molhadinha.

Carlos tiraria a calcinha.

Botava de quatro,

enfiava com  muito carinho.

Deslizaria gostoso

dentro da moreninha.

Ah, Carlos!

Uma nova estrela

no céu brilharia.

Junto ao gozo compartilhado

com a moreninha.

Assim é o amor:

beleza e alegria!

Ínfima Criatura

março 11, 2010

 a semente será plena

– vida

plaina a pena no ar

pára-quedas de piolho

aterrissa no terreiro

contamina o galinheiro