cabra-cega

fevereiro 17, 2019

     
muita vez aparento a força que eu não tenho.
eu me escondo covardemente no medo,
na angústia e nalguma preguiça.
eu deixo o verniz do ego
aprisionar a alma.
é quando eu não me banho de luz
na leveza, na humildade,
na compaixão para comigo mesmo.
eu me entranho na matéria
e eu me identifico com o corpo apenas.
mas quando raro o sentimento transborda
– rompendo a casca –
eu sou todo o palheiro
equilibrado sobre a agulha.
e não é preciso raciocínio
para eu me encontrar,
porque eu sempre estive,
só não estava
consciente.
           
(óleo sobre tela de Orlando Teruz)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: