Jenipapo

julho 18, 2016

jenipapo_jorge_xerxes

Trago junto ao peito

Tão próximo quanto possível

(Do Coração)

A delicada Flor que me destes

      

As suas pétalas

São delas reflexo

As gotas

A brotarem vivas, quentes

Do vão de minhas carnes

Acalentando meu ventre

Umedecem o gineceu

      

Ah, amigo!

Se pudesse percebê-las

Simultaneamente

Através do sublime perfume

Insuflado de Amor

 

 

Toma o meu cálice

Você pode se servir

Do meu Licor

     

   

Nota: Poesia submetida ao 24º Concurso de Prosa e Poesia da Academia de Letras de São João da Boa Vista sob o pseudônimo de Andréa Beltrão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: