Espaço entre as palmas das mãos

setembro 9, 2014

Debaixo de um chão de estrelas nossa pequena Terra se assemelha apenas a um grão. Existem leis subjacentes a prescreverem-lhes as órbitas, o equilíbrio, os ciclos dessas pedras a revolverem os céus. Uns poucos loucos desvelaram as suas equações. Outros renderam-las versos sensíveis em homenagem. Enquanto o humilde trabalhador a lavrar o solo, extrair-lhe o sustento. Cada criatura apreende de forma diversa da gravidade. Entretanto ela está sempre presente. Inerente aos fenômenos da vida, como o ar que respiramos, quase sem nos apercebermos. As estrelas, estas fugidias, nos deixam vislumbrar-lhes o brilho, ao longe, se é noite, sem nada nos dizer dos dias. Porque habitam a casa da realidade, ocupam-se daquilo que são, alheias a razão da existência. Deixando-nos assim a deriva, náufragos em seu véu, poeira de estrelas. Se por um lado escapa-nos a verdade, temos a nosso favor o sentimento, a percepção. Do ínfimo espaço entre as palmas das mãos que se dão escorre o amor. Esse fluido a permear todo espaço; atribuindo-lhe significado, beleza, veneração. São os nossos sonhos, sementes fecundas a suster a infinita árvore da vida.

quivertrees_breuer_960

Image Credit: “Milky Way Over Quiver Tree Forest” Florian Breuer, 2012 December 12

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: