Contato

novembro 29, 2012

A solução de muito problema complexo requer um árduo caminho preparatório, determinado e pré-estabelecido pelas intrincadas sendas da razão. Outros parecem dar-se de maneira diferenciada, mais a semelhança da ruptura com uma antiga percepção ou realidade inerte: é como o fruto de uma mangueira, a desprender-se pelo próprio peso, no instante devido, para a sua providencial serventia como alimento aos pássaros.

Antonio olhou para o alto, depois para baixo, e prosseguiu caminhando pelo calçamento à margem da rua estreita de paralelepípedos. Duas quadras apenas separavam o escritório de seu destino. Um procedimento aparentemente banal: caminhar despretensiosamente pela calçada àquela hora da manhã, com o sol incidindo a setenta graus em relação ao corpo franzino, disposto verticalmente. Sombra. Mas tratava-se antes de um evento cíclico, porém de periodicidade variável. E talvez fosse essa inconstância (ou variabilidade temporal) que iludisse Antonio quanto à percepção de relevância naquilo que o movia.

Chegando aos Correios, ele cumprimentou o atendente que já lhe era familiar. Olhou para o alto, depois para baixo. O funcionário fingiu não atentar ao cacoete. E Antonio relevou ante a curiosidade recalcada do atendente. Este tratou do despacho de rotina: as verificações do destinatário, remetente, peso e custo. Antonio pagou, olhou para o alto, depois para baixo. Então o atendente, de ar mexeriqueiro e forjando certa intimidade, questionou-o com relação ao conteúdo de tais correspondências.

Foi daí que Antonio lhe disse sobre a existência daqueles cadernos, cujas inscrições em signos evocavam aos descaminhos erráticos da civilização. A panfletagem subversiva a ordem estabelecida pela rotina e pelo conformismo. Problemas irresolutos; tencionavam romper a circularidade cristalina das horas puras (porém vazias) dos dias. Eram esses os tais cadernos, enviados aos destinatários, nem sempre conhecidos pessoalmente pelo remetente. Mas cada sectário comungava, a sua maneira, daquele levante, apresentando diferentes graus de afinidade ao movimento. Os signos viriam (ou não) a ser desvelados um dia, profetizou. Como a gestação do cérebro em duas metades duma semente, tendo por objetivo a luminescência quando propriamente ligado ao coração.

Antonio olhou para o alto, depois para baixo. Então prosseguiu: maldita a hora que fui lhe dizer isso! Era como se, num átimo, ele houvesse sido impelido através de um duto conectando um lado a outro. Condensação de nuvem amorfa das ideias precipitando súbita a compreensão. Cuidado, isso pode ser contagioso! Ele disse ao atendente.

* * *

Ele chegou em casa a noite, depois de mais um dia como outro qualquer. Beijou a mulher na boca e também a fronte de cada uma de suas duas filhas. Teria sido mais do mesmo não fosse um sutil acréscimo na intensidade dos gestos. A mulher lhe indagou: Como foi o seu dia, querido? Tudo na mesma lá nos Correios.

Um remoinho girava em sua cabeça; e ele olhou para o alto, depois para baixo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: