Roberto Carlos: trocado na ditadura?

fevereiro 16, 2012

Roberto Carlos Braga, o quarto e último filho do casal Robertino Braga e Laura Moreira Braga, nasceu ao décimo nono dia do mês de Abril de 1941 em Cachoeiro de Itapemirim – cidade do Estado de Espírito Santo.

Iniciou sua carreira solo como cantor na boate do Hotel Plaza, em Copacabana, cantando samba-canção e bossa nova. Começou a fazer sucesso com suas versões do rock’n’roll americano e composições próprias em parceria com o amigo Erasmo Carlos.

Roberto Carlos foi um ídolo da juventude na década de 1960, líder do movimento da Jovem Guarda – o primeiro movimento de rock genuinamente brasileiro. Na década de 1970, reformulou o seu repertório e se tornou um típico cantor e compositor romântico.

Sua popularidade o tornou conhecido no Brasil e na América Latina como “O Rei”. Já vendeu mais de cento e vinte milhões de cópias de seus discos, lançados anualmente próximos à época de Natal. Continua se apresentando anualmente num especial da Rede Globo que vai ao ar nessa mesma semana.

É óbvio que ter como aliado um líder desse porte é conveniente a qualquer regime político totalitário ou classe dominante. E reza a lenda popular que a Ditadura Militar deu cabo do Roberto Carlos original, tendo-o substituído no ano de 1971 por outro interprete, menos talentoso e com o rosto mais quadrado. Daí o fato do álbum “Roberto Carlos” do ano de 1971 ter sido o único em que o cantor não aparece na capa em foto legítima, mas sim retratado em arte gráfica relativamente simplista.

O álbum “Roberto Carlos” de 1971 contou com arranjos sofisticados, assinados pelo maestro Jimmy Wisner. Apreciemos esta obra-prima em seus “detalhes” e minúcias.

LADO A

Faixa (1) “Detalhes”

“Não adianta nem tentar / Me esquecer / Durante muito tempo / Em sua vida / Eu vou viver…” / … / “Eu sei que esses detalhes / Vão sumir na longa estrada / Do tempo que transforma / Todo amor em quase nada / Mas ‘quase’ / Também é mais um detalhe / Um grande amor / Não vai morrer assim”

Faixa (2) “Como Dois e Dois”

Música de Caetano Veloso gravada por Roberto Carlos (para justificar “Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos”?). Perceba a ironia na letra de Caetano.

“Meu amor! / Tudo em volta está deserto / Tudo certo / Tudo certo como / Dois e dois são cinco”

Faixa (3) “A Namorada”

Carlos de Carvalho Colla, nasceu no ano de 1944 em Niterói, no Rio de Janeiro. Carlos Colla, como era chamado, tinha o sonho de ser advogado e, durante anos a fio, bancou os seus estudos se apresentando como músico na noite carioca. Mais tarde, convidado por Maurício Duboc, passou a integrar o conjunto “O Grupo”. Essa música, “A Namorada”, é uma das primeiras composições da parceria de sucessos Colla e Duboc, tendo Roberto Carlos gravado por volta de quatro dezenas de suas canções! Carlos Colla graduou-se em direito no ano de 1974. No ano de 1980, ele trabalhava na OAB e presenciou triste episódio que marcou a história política do Brasil: a explosão de carta bomba na sede da OAB no Rio de Janeiro que veio a vitimar a também funcionária Lyda Monteiro da Silva. Este evento, (coincidentemente,) colaborou para o encerramento prematuro de sua carreira como advogado.

 “Você, que renasceu do meu segredo / Do meu sonho, do meu medo / Do meu verso e da verdade derradeira / Você a companheira / A namorada à minha espera / Meu refúgio, meu regresso, minha vida, meu amor / Você, uma lembrança, uma esperança / O sonho mais bonito que viveu pra se acabar”

Faixa (4) “Você Não Sabe o Que Vai Perder”

“Diz que eu nada faço por nós dois / Que venho uma semana / E só um mês depois / Eu volto pra lhe ver / Você não pode compreender / … / E sinto muito / Mas eu sou assim / Sei que cedo ou tarde / Alguém vai lhe dizer / Se você me deixar / Não sabe o que vai perder”

Faixa (5) “Traumas”

“Meu pai um dia me falou / Pra que eu nunca mentisse / Mas ele também se esqueceu / De me dizer a verdade / … / Da realidade do mundo / Que eu ia saber / … / Alguma coisa que na alma / Conseguimos sufocar / … / Às vezes as mentiras / Também ajudam a viver”

Faixa (6) “Eu Só Tenho Um Caminho”

“Vou mudar meu rumo / (Assim me acostumo) / Só se vive uma vez / (Ou menos de um mês) / … / Vou seguir meu caminho / Vou seguir, eu vou / E vou mudar…”

LADO B

Faixa (1) “Todos Estão Surdos”

Este é o segundo registro de cunho religioso na carreira do cantor (o primeiro foi “Jesus Cristo”). Funciona também como hino doutrinário, pregando a paz em oposição à guerra (ou à luta pela liberdade?).

“Outro dia, um cabeludo falou: / ‘Não importam os motivos da guerra / A paz ainda é mais importante que eles.’ / Esta frase vive nos cabelos encaracolados / Das cucas maravilhosas / Mas se perdeu no labirinto / Dos pensamentos poluídos pela falta de amor. / Muita gente não ouviu porque não quis ouvir / Eles estão surdos!”

Faixa (2) “Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos”

A famosa composição de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, amplamente divulgada como uma canção de solidariedade ao colega Caetano Veloso, que tinha sido deportado pela Ditadura Militar no ano de 1969 e se encontrava no exílio, em Londres. Música politicamente engajada. (A canção perfeita, acima de qualquer suspeita).

“Um dia a areia branca / Seus pés irão tocar / E vai molhar seus cabelos / A água azul do mar / Janelas e portas vão se abrir / Pra ver você chegar / E ao se sentir em casa / Sorrindo vai chorar”

 Faixa (3) “Se Eu Partir”

Canção bastante triste, numa cadência lenta e com letra marcante!

 “Tudo vai mudar no dia que eu partir / Nada do que fomos vai sobreviver / Vou estar presente em sua solidão / … / Frio e silencioso o quarto vai ficar / A lembrança morna vai provar que eu / Ainda sou tudo o que você desejou / … / Foi tanto amor que eu dei e tanto vai durar / Minha lembrança vai fazer você chorar”

Faixa (4) “I Love You”

Música alegre e despretensiosa, bem ao estilo da jovem guarda; o cantor usa uma voz grossa e parece mesmo não ser Roberto Carlos.

“Eu queria um passarinho ser / Pra levar um bilhetinho pra você / E nas mal traçadas linhas revelar / Minha paixão e o meu amor, meu grande amor / No meu radinho de pilha sempre escuto / Melodias que me lembram de você / Cafonice talvez possa parecer / Vou me modernizar você vai ver / Uma calça Lee agora vou comprar / Vou ficar moderninho pra chuchu / Vou até aprender falar inglês / Pra lhe dizer: I love you, I love you”

Faixa (5) “De Tanto Amor”

(Uma confissão e tanto).

“Ah! Eu vim aqui amor só pra me despedir / E as últimas palavras desse nosso amor, você vai ter que ouvir / Me perdi de tanto amor, ah, eu enlouqueci / Ninguém podia amar assim e eu amei / E devo confessar, aí foi que eu errei”

 Faixa (6) “Amada, Amante”

Música avançadinha e com apelo bastante sensual para a época (ano de 1971). Atraiu uma multidão de fãs. (Como é que a censura deixou passar essa?)

“Esse amor demais antigo / amor demais amigo / que de tanto amor viveu / que manteve acesa a chama / da verdade de quem ama / antes e depois do amor / e você amada amante / faz da vida um instante / ser demais para nós dois / esse amor sem preconceito / sem saber o que é direito / faz a suas próprias leis”

O disco “Roberto Carlos” do ano de 1971 foi um dos mais bem sucedidos de toda a carreira do cantor. Pelo menos cinco – “Detalhes”, “Amada Amante”, Como dois e dois”, “Todos estão surdos” e “Debaixo dos caracóis dos seus cabelos” – das doze faixas do long play foram hits de sucesso nas rádios; algumas delas recheiam, ainda hoje, o repertório de seus badalados shows – em terra firme ou em suntuosos transatlânticos.

Não, eu não acredito nessa hipótese.

Entretanto, trocado ou não nos anos da Ditadura Militar, Roberto Carlos é, sem sombra de dúvida, o mais famoso, popular e querido cantor brasileiro de todos os tempos. E o resto é lenda.

Anúncios

Uma resposta to “Roberto Carlos: trocado na ditadura?”

  1. jorgexerxes said

    Para Bom Entendedor Meia Palavra Basta.

    Abaixo Essa Lavagem Cerebral Que Nos
    Servem Todos os Anos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: