Sobre as causas às quais eu tenho pena dos engenheiros

setembro 28, 2010

Foi com grande surpresa e admiração que recebi de uma pessoa pela qual eu tenho um grande apreço tecnológico a narrativa pelas quais eu tenho pena das criaturas matemágicas, desses profissionais inoxidavelmente brilhantes e aboboristicamente  dotados as suas próprias cabeças das idéias papagaisticas e esqueléticas,  probabilisticas  e devaneisticas das ciências. Seus cérebros sugados pelas ondas luminosas de um terminal de tubo doze horas por dia. Some-se a isso problemática da resolucionática inversa na qual diverte-se ante-propi-benzi-mól. Cabrabóxicitamente falando o português claro, o português do tosco carnemoidicamente alimentado; gelatinicamente refeicionável; panificativica e manteiguisticamente com a requeichesa da queijo-lanchistica da tarde. Gargantilisticamente insondável desejo, meu sincero apoio tecnológico apesar de viver no limiar da dignistica, nesga da lamistica, humana – assim como formigavelmente levadores de gravetos matemágicos, estrogonoficamente sensíveis da problemática da camada de ozônio acima, da responblemática social emaranhada da primavera embaixo, nessa nova década da anuística de dois mil e dez. Reitero o meu amplexo borrachistica e balonitiscamente extensível, cafeinisticamente caloroso, meu estrambólico respeito matemático, minha rapidez computabilissima, o meu abraço mecânico, o meu aperto de mão burocrático, o meu acenar de mãos distante. Nada tenho contra, muito menisticamente a acertabilistica: tô-fora!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: