O exército da salvação

maio 20, 2010

Nessa estranha ordem de macumbeiros: ossos crucifixos de frango, goles de cachaça e velas pretas. Boto minhas mãos no fogo para que delas se queimem as palmas. Tiro das bolhas em agulhas espetadas de água. Sorvo dos corvos o vinho doce de seus corpos. Sinto as penas de suas mortes lentas. Mas não me deito em camas de espetos. Não sou magro e o diabo sabe bem o mal que faz aos outros. Anjos me ajudem a dormir cedo ante os meus olhos que quase se partem de tão rachados. Através dos mares distantes, em goles dessa salobra sabedoria náufraga. Arrasto-me pelas areias desérticas. Nem me lembro; nem sonho; nem sinto. De pé: ou deitado.. De pé: ou deitado.. De pé: ou deitado.. Salve as forças armadas! Salve o exército da salvação!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: